Federal Court of Accounts (TCU - Brazil)

NEWS

  • Minister José Mucio takes office as President of the TCU

    Minister José Mucio Monteiro took office as president of the Federal Court of Accounts - Brazil (TCU), for the biennium 2019-2020, this morning (November 11), in the Headquarters of the Court, in Brasília.

    Corpo da Notícia

    The Vice-President, Minister Ana Arraes, was also sworn in. She will hold concomitantly the position of Internal Affairs Officer of the Court.

    According to the TCU bylaws, the president's term of office is one year, with the possibility of reelection for another term.

    The event was attended by many Brazilian officials, diplomats, family members of the ministers and TCU employees. The official TCU YouTube channel broadcast the ceremony live.

    The photos of the solemnity are available on the official TCU profile on Flickr.

    Serviço

    <p>&nbsp;</p>

    <p><span></span></p>

    <p>&nbsp;</p>

    <p>&nbsp;</p>

    <p>&nbsp;</p>

    Tags

    <p><span data-dicionario='JURISDICIONADO'>TCU</span>&nbsp;</p>

    Página NOTÍCIAS
    false
    Destaque cidadão
    false
  • Minister José Mucio Monteiro is elected the new president of TCU

    The election was by a margin of eight votes to one. At the same Court session, Ana Arraes was elected Vice-President. She will also be the Court's Internal Affairs Officer. Both take office on Tuesday (December 11), but their administration begins on January 1.

    Corpo da Notícia

    The minister José Mucio Monteiro was elected today (December 5) president of the Federal Court of Accounts – Brazil (TCU), by eight votes to one. He succeeds the current President Minister Raimundo Carreiro, who holds the position in this biennium (2017-2018). At the same session, Minister Ana Arraes was elected Vice President of the Court of Accounts. She will hold concomitantly the position of Internal Affairs Officer of the TCU.

    The new president and vice president will take office next Tuesday (December 11), but their term of office begins only on January 1, 2019. The term of office lasts one year, with the possibility of re-election for one more year.

    Summary biography of the new minister-president

    DSC_8479.jpg

    The new president of the Federal Court of Accounts - Brazil, Minister José Mucio Monteiro, was born in Recife, state of Pernambuco (PE) on September 25, 1948. He graduated as a civil engineer in 1971 from the Polytechnic School of Pernambuco (Poli), which was created in 1912 and is one of the ten oldest engineering schools in Brazil. The Polytechnic School is part of the University of Pernambuco (UPE).

    José Mucio Monteiro dedicated himself to the private agribusiness sector in Pernambuco and Mato Grosso. His public life began as deputy mayor of Rio Formoso (PE), between 1976 and 1982. He was then mayor of the same municipality (1982-1983), which is 88 km from the capital of Pernambuco.

    Still in the scope of the Executive Branch, he was president of the then state-owned Energy Company of Pernambuco (CELPE) in 1983. Soon after, he assumed the position of Secretary of Transportation, Communication and Energy of the state of Pernambuco (1983-1986).

    He was elected a Federal Deputy by his state in 1990 and in 4 subsequent elections. His parliamentary life was very active. He was the rapporteur of the Special Joint Committee on Regional Tax Incentives and head of the Joint Parliamentary Committee of Inquiry that investigated PC Farias. In the Chamber of Deputies, in his five terms, José Mucio was the head of standing committees, such as Economy, Industry and Commerce, and Foreign Affairs and National Defense. He was the leader of the Government in the National Congress in 2007.

    He took leave of absence from parliament twice to hold important positions. He was Municipal Secretary of Planning, Urban Planning and Environment of Recife (PE), between 1997 and 1998. Later, José Mucio Monteiro was Minister of Institutional Relations of the Presidency of the Republic (2007-2009).

    He took office as minister of the Federal Court of Accounts on October 20, 2009, in the vacancy left by Minister Marcos Vilaça, after having his name approved by an absolute majority of the Senators. Minister José Mucio Monteiro is the current Vice President and Internal Affairs Officer of TCU (2017-2018).

    Summary Biography of the New Vice President and Internal Affairs Officer

    DSC_8511.JPG

    Minister Ana Arraes is from Recife, Pernambuco (PE), born on July 28, 1947. She studied at the Law School of Olinda (PE) from 1993 to 1996. She graduated in Law from the Catholic University of Salvador (1998).

    She worked at the Documentation Institute of the Joaquim Nabuco Foundation (1986-1990). Later she was chief of staff of the Counselor of the Court of Accounts of the State of Pernambuco (1990-1996). Approved in a public examination, she was a public servant at the Regional Labor Court of the 6th Region from 1995 to 1998. She served as Parliamentary Secretary in the Chamber of Deputies from1998 to 2006.

    Shortly thereafter, she was elected Federal Deputy for Pernambuco in 2006. Her term extended to 2010. That same year she was re-elected with 387,581 votes, the largest state vote and the 5th largest in Brazil.

    During her parliamentary term, Ana Arraes had an outstanding performance. She was the author of the Consumer Booklet (2009 and 2010) and the Practical Guide of Defense for Violence against Women (2008). She was also party and bloc leader in the Chamber of Deputies. In the Consumer Defense Committee, she was a full member and later president (2007-2010).

    Ana Arraes took office at the Federal Court of Accounts – Brazil on October 26, 2011 after being chosen by the Federal Deputies, to fill the vacancy resulting from the retirement of Minister Ubiratan Aguiar. Minister Ana Arraes is the second woman to become a member of the TCU.

    Serviço

    <p>&nbsp;</p>

    <p><span></span></p>

    <p>&nbsp;</p>

    <p>&nbsp;</p>

    <p>&nbsp;</p>

    Tags

    <p><span data-dicionario='JURISDICIONADO'>FEDERAL COURT OF ACCOUNTS</span>&nbsp;<span data-dicionario='JURISDICIONADO'>TCU</span>&nbsp;</p>

    Página NOTÍCIAS
    false
    Destaque cidadão
    false
  • TCU elege novos presidente e vice amanhã

    A posse dos eleitos ocorrerá na terça-feira (11), no Plenário do Tribunal

    Corpo da Notícia

    A eleição dos próximos presidente e vice-presidente do Tribunal de Contas da União (TCU) será realizada nesta quarta-feira (5), às 14h30, durante a Sessão Plenária. O ministro José Mucio Monteiro deverá ser conduzido ao comando da Corte para mandato de um ano e poderá ser reeleito por igual período. O cargo de vice-presidente será exercido pela ministra Ana Arraes, que também assumirá a Corregedoria do TCU.

    A lista de sucessão prevê que o presidente eleito seja o mais antigo da corte, que ainda não tenha assumido o posto. O TCU é formado por nove ministros e quatro ministros-substitutos. Para que o presidente seja eleito, é necessário quórum de no mínimo cinco ministros.

    As eleições dos presidentes do Tribunal acontecem na última sessão plenária do ano, e são feitas por escrutínio secreto. Caso o cargo fique vago antes de completar um ano, a escolha do novo presidente é feita na sessão seguinte à vacância.

    A posse dos eleitos ocorrerá na terça-feira (11), no Plenário do TCU, quando eles prestarão o seguinte compromisso: “Prometo desempenhar com independência e exação os deveres do meu cargo, cumprindo e fazendo cumprir a Constituição Federal e as leis do País”.

    Botao_antigos_presidentes.png

     

    Serviço

    <p><strong>Secom</strong></p>

    <p><strong>Telefone: (61) 3316-5060</strong></p>

    <p><strong>E-mail: <a href="mailto:imprensa@tcu.gov.br">imprensa@tcu.gov.br</a></strong></p>

    Tags

    <p><span data-dicionario='JURISDICIONADO'>TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIAO</span>&nbsp;<span data-dicionario='JURISDICIONADO'>TCU</span>&nbsp;</p>

    Página NOTÍCIAS
    false
    Destaque cidadão
    true
  • La productividad como bien público

    El TCU lleva a cabo un proyecto destinado a nivelar y difundir el conocimiento sobre la productividad, mapear las mejores prácticas realizadas en el gobierno brasileño y en las Comisiones de Productividad operantes, y proponer acciones de corto, mediano y largo plazo para combatir la disfunción burocrática y aumentar la eficiencia y productividad en Brasil. El Tribunal se ha consolidado ante la sociedad como la Institución capaz de mejorar el entorno empresarial, garantizando la estabilidad de las regulaciones y el control en busca del desarrollo del Brasil. La agenda de eficiencia/ productividad es una de las principales pautas para las mejoras institucionales que deben implementarse en nuestro país. Actualmente, esta agenda es difusa y fragmentada porque es realizada en ministerios con atribuciones específicas, dependiendo del gobierno de turno. El proyecto propone una agenda perenne, de trabajo amplio y transversal, en consonancia con la realizada en las Comisiones de Productividad que están surgiendo en varios países.

    Corpo da Notícia

    Los estudios han demostrado que la eficiencia/ productividad es baja en todos los sectores del Brasil. Hay una serie de reformas que deben ser ejecutadas para estimular la eficiencia y la competitividad de las empresas brasileñas. Al mismo tiempo, debemos eliminar los innúmeros obstáculos que afectan nuestra productividad (burocracia excesiva y contraproducente, entorno empresarial complejo, costoso y que genera inseguridad jurídica). En el informe Doing Business del Banco Mundial (cuyo objetivo es medir la facilidad para hacer negocios y la calidad del ambiente regulatorio para los emprendedores en 190 países), Brasil está en la posición 109°.

    En comparación con Brasil, ¿qué tienen en común países como Holanda, Dinamarca, Francia y Eslovenia? Además de las temperaturas medias más bajas y no tener el portugués como idioma oficial, todos estos países presentan tasas de productividad más altas que las brasileñas, es decir, necesitan menos horas de trabajo para generar la misma cantidad de riqueza en relación con nosotros. Según el informe del Banco Mundial publicado en marzo de 2018, el abismo solo ha aumentado: la productividad del trabajador brasileño apenas ha crecido un 17% en los últimos 20 años, mientras que en los países con altos ingresos se observó un crecimiento del 34%.

     

     

    Con el aumento de la esperanza de vida de la población y el final de la llamada bonificación demográfica, es imperativo que Brasil tenga la capacidad de hacer más con menos y aumentar el volumen producido por aquellos que están activos. El aumento de la productividad de un país beneficia a la populación en general, de modo que puede beneficiarse de bienes y servicios con costos de producción más bajos y de mejor calidad. Al mismo tiempo, su aumento no es exclusivo ni rival, porque beneficia a la sociedad indistintamente, permitiendo clasificar la productividad como un bien público. Está claro que mejorar la productividad puede ser una de las salidas más elocuentes para mejorar los estándares de desarrollo del país.

    Las acciones para mejorar las tecnologías de fabricación, racionalizar los métodos de trabajo y de gestión, mejorar la eficiencia logística, aumentar la calidad de la educación de la populación y reducir los procedimientos burocráticos redundantes son fundamentales para elevar los niveles de productividad. No hace falta enfatizar el papel de los gobiernos en la promoción de acciones que fomenten el bienestar colectivo a través del aumento de la productividad, independientemente de la orientación ideológica del gobernante en servicio, en la medida en que mayores tasas de productividad benefician a los gobiernos y ciudadanos de todos los colores. ¿Qué hacer con el aumento de la productividad, reinvertir para acelerar el crecimiento o redistribuir para aliviar las desigualdades sociales, o la combinación de las dos cosas es una opción a ser realizada por los representantes democráticamente elegidos por la populación?

    Pero si la productividad es beneficiosa, ¿por qué gobiernos más a la derecha y a la izquierda del espectro político no lograron desatar este nudo y ponen a Brasil en un círculo virtuoso? La respuesta es simple: los gobiernos no han priorizado este tema debido a los altos costos políticos asociados y a las presiones corporativas. Los beneficios de las políticas dirigidas para aumentar la productividad son difusos y observables a largo plazo, pero los costos políticos se pagan en efectivo en forma de pérdida de apoyo parlamentario y reacciones contrarias de las corporaciones que se han acostumbrado a vivir de privilegios y con una capacidad enorme para hacer que sus intereses sean atendidos. Así, desde el punto de vista del político estándar – aquel que pretende optimizar sus posibilidades de elección en lugar de observar el bienestar colectivo – la cuenta no encierra.

    De hecho, varias disputas tendrían que ser compradas para llevar adelante una agenda de estímulo a la productividad. La lista de ejemplos es larga y parte desde el lobby de los notarios contra el proyecto de ley que crea el duplicado electrónica, capaz de reducir la burocracia y de aumentar la seguridad del sistema de garantías, a las entidades de abogados contrarios al uso de tecnología de la información para auxilio en la elaboración de acciones laborales que aumentarían la eficiencia de la justicia, pasando a través de estamentos del funcionalismo público que pueden tener sus privilegios revisados, los empresarios nacionales defensores de la reserva de mercado y contrarios a la reducción de los impuestos a las importaciones, los líderes de sindicatos de empleadores que sobreviven gracias a las transferencias públicas y son refractarios a un examen detallado del impacto de sus entidades, llegando a grupos de interés bien conectados con el sistema político y sedientos de créditos subsidiados y beneficios fiscales, solo por nombrar algunos.

    Según un informe del Tribunal de Cuentas de la Unión (TCU) se diagnosticó que, el 85% (R$ 240,6 mil millones) de las exenciones totales previstas para 2018 no tienen fecha de vencimiento y el 44% (R$ 125,6 mil millones) se otorgaron sin estudios que muestren beneficios sociales o económicos que se justifiquen frente a la pérdida de recaudación de los fondos públicos. Primero nosotros, después el resto. Al actuar por su propio interés en un entorno lleno de distorsiones de incentivos, las corporaciones agravan aún más el problema de productividad en Brasil.

    Las elecciones de 2018 son una excelente oportunidad para discutirse el tema de nuestra baja productividad de forma madura con la sociedad brasileña, mostrando que el aumento de la productividad es necesario para un crecimiento permanente y sostenible.

    Los países como Australia y Chile encontraron en las llamadas “Comisiones de Productividad” una forma para quebrar con el status-quo. Brasil puede tomar el mismo camino para coordinar armoniosamente la actuación de los diversos sectores gubernamentales, para institucionalizar y perpetuar la agenda y, principalmente, para aclarar las implicaciones de las políticas que bloquean la productividad, explicitando con base en evidencias sólidas, los ganadores y perdedores de un arreglo dado.  Para evitar la creación de otra agencia gubernamental, tales funciones podrían estar acopladas a estructuras que ya realizan evaluaciones de políticas públicas. Naturalmente, además de estar suficientemente protegida de influencias políticas, la comisión de productividad necesita de una alta reputación técnica y un empoderamiento institucional para implementar sus recomendaciones en todas las esferas de la máquina pública.

    Así, más allá de la lógica de los ciclos políticos, la productividad debe ser encarada como un bien público y ser tratada como una política estatal, no como una política gubernamental. El tiempo es ahora.

    Débora Costa, Fernando Camargo y Sandro Cabral

                            Fuente: https://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/artigos/a-produtividade-como-bem-publico-1r89zbwr3fji59v765p7r9qwr/¿

    _______________________________________________________________________

    Débora Costa es licenciada en Derecho y Economía, Master en Derecho Constitucional y Auditora del TCU. E-mail: debora.costaferreira91@gmail.com

    Fernando Camargo es licenciado en Administración Pública y Derecho y Auditor del TCU. E-mail: fernandoscamargo@gmail.com

    Sandro Cabral es Doctor en Administración y Profesor del Insper.  E-mail: SandroC2@insper.edu.br

    Serviço

    <p>&nbsp;</p>

    <p><span></span></p>

    <p>&nbsp;</p>

    <p>&nbsp;</p>

    <p><strong>Secom - SG/ed</strong></p>

    <p><strong>Instituto Serzedello Corr&ecirc;a</strong>&nbsp;</p>

    <p><strong>Telefone: (61) 3316-5860</strong></p>

    <p><strong>E-mail: <a href="mailto:imprensa@tcu.gov.br">imprensa@tcu.gov.br</a></strong></p>

    <p>&nbsp;</p>

    Tags

    <p><span data-dicionario='JURISDICIONADO'>CREA</span>&nbsp;<span data-dicionario='JURISDICIONADO'>TRIBUNAL DE CUENTAS DE LA UNION</span>&nbsp;<span data-dicionario='JURISDICIONADO'>BANCO MUNDIAL</span>&nbsp;<span data-dicionario='JURISDICIONADO'>TCU</span>&nbsp;<span data-dicionario='JURISDICIONADO'>SUS</span>&nbsp;<span data-dicionario='LOCALIDADE'>ES</span>&nbsp;<span data-dicionario='LOCALIDADE'>CAMARGO</span>&nbsp;<span data-dicionario='LOCALIDADE'>ALTOS</span>&nbsp;<span data-dicionario='LOCALIDADE'>UNA</span>&nbsp;<span data-dicionario='LOCALIDADE'>BRASIL</span>&nbsp;<span data-dicionario='LOCALIDADE'>PARA</span>&nbsp;<span data-dicionario='LOCALIDADE'>AL</span>&nbsp;<span data-dicionario='LOCALIDADE'>SE</span>&nbsp;<span data-dicionario='LOCALIDADE'>RIQUEZA</span>&nbsp;<span data-dicionario='LOCALIDADE'>RESERVA</span>&nbsp;</p>

    Página NOTÍCIAS
    false
    Destaque cidadão
    false
  • #EuFiscalizo: o que fazem os bancos públicos?

    Conheça o papel dos bancos públicos federais na promoção de políticas de desenvolvimento

    Corpo da Notícia

    O #EuFiscalizo do mês de novembro mostra a atuação de bancos públicos federais para promover o desenvolvimento econômico e social do país. Reportagens e entrevistas mostram políticas públicas de acesso a crédito e fomento de atividades econômicas, especialmente para pequenos empresários e pessoas de baixa renda. A entrevista especial é com o economista e doutor em Ciências Econômicas pela Universidade de Sorbonne Mário Lisboa Theodoro, que fala sobre sigilo bancário, perspectivas para as políticas públicas e o papel dos bancos no cenário econômico-social.

     

    A fundadora e proprietária da marca de roupas So Cute, Karoliny Buhcool, sentiu a necessidade de fazer um empréstimo no valor de R$ 60 mil para expandir o comércio da sua produção, iniciada de forma artesanal, em casa. E fez isso em um dos bancos públicos federais. Para mostrar como essas instituições financeiras cumprem o papel de promover o desenvolvimento, o #EuFiscalizo trata da atuação de três deles.

     

    Criado em 1954, atualmente o BNDES é o principal instrumento do governo federal para o financiamento de longo prazo e investimento em diversos segmentos da economia brasileira. A reportagem explica como o trabalho do Tribunal de Contas da União (TCU) têm permitido o aumento da transparência nas operações financeiras do banco e melhorias nos processos internos. O secretário de Controle Externo da Administração Indireta, Carlos Borges, fala sobre o assunto.

     

    Já a Caixa Econômica Federal é o principal agente financeiro associado ao governo na execução de políticas públicas. Com ampla atuação no financiamento de projetos de habitação, a Caixa opera o Programa Minha Casa, Minha Vida, principal política pública do setor no país.

     

    Com mais de 5 mil agências espalhadas pelo país, o Banco do Brasil possui cerca de dois milhões de clientes atendidos. Esta edição mostra os projetos de apoio aos microempreendedores, em especial o Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO).

    Esta e outras edições do #EuFiscalizo estão disponíveis no portal TCU, no canal do TCU no YouTube e são transmitidas aos finais de semana pela TV Senado e pela TV Câmara.

     

     

    Página NOTÍCIAS
    false
    Destaque cidadão
    false
  • TCU participa do IV Congresso Internacional de Controle e Políticas Públicas

    Na ocasião foi assinado o Acordo de Cooperação e dos Termos de Adesão para aperfeiçoamento do controle externo de políticas públicas descentralizadas. Nessa fase, o projeto terá como tema prioritário a melhoria das políticas públicas de Educação

    Corpo da Notícia

    IV Congresso Internacional de Controle e Políticas Públicas mobilizou agentes públicos, órgãos de controle e sociedade em torno de painéis, palestras e reuniões dedicadas a temas como gestão fiscal, controle, segurança pública, saúde e educação. O evento foi realizado pelo Tribunal de Contas do Estado do Ceará (TCE-CE) e pelo Instituto Rui Barbosa (IRB), no Centro de Eventos do Estado, em Fortaleza – CE, entre os dias 17 e 19 de outubro.

    Na cerimônia de abertura do evento, foi assinado acordo de cooperação técnica entre o Tribunal de Contas da União (TCU), o Instituto Rui Barbosa (IRB) e a Associação de Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon), no âmbito do Projeto de Aperfeiçoamento do Controle Externo de Políticas Públicas Descentralizadas, realizado pelo TCU com o apoio técnico da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O acordo tem como objetivo concretizar a parceria com os tribunais de contas brasileiros e viabilizar a realização plena do projeto.

    Os tribunais de contas dos Estados do Acre, de Rondônia, do Ceará, da Paraíba, da Bahia, de Minas Gerais, do Paraná e do Rio Grande do Sul aderiram ao Projeto, e farão parte da equipe dedicada a acompanhar o desenvolvimento dos produtos e construir uma estratégia integrada do sistema nacional de controle externo. Nessa fase, o projeto terá como tema prioritário a melhoria das políticas públicas de Educação.

    Na sequência das assinaturas dos termos de adesão, o TCU apresentou os detalhes do projeto e esclareceu dúvidas dos participantes. A auditora Renata Carvalho, atual coordenadora do projeto no TCU, ressaltou a importância de integrar os tribunais de contas no projeto, de modo a garantir um alinhamento entre as diferentes realidades do território brasileiro e a expertise trazida pela OCDE com as boas práticas oriundas de seus 36 países membros.

    Tags

    <span>Social</span><span>Educação</span><span>Institucional</span><span>Controle externo</span><span>Social</span>

    Página NOTÍCIAS
    false
    Destaque cidadão
    false
  • Controle e gestão devem caminhar juntos na questão das transferências de recursos federais

    Avaliação foi feita por autoridades que participaram do diálogo público que abordou a temática. O evento foi realizado no último dia 16, em Brasília

    Corpo da Notícia

    Integrantes do Tribunal de Contas da União (TCU), gestores, autoridades e especialistas em gestão pública se reuniram em mais uma edição do diálogo público para debater cenários e perspectivas relacionadas às transferências de recursos federais. O evento foi realizado no último dia 16, no auditório Ministro Pereira Lima, na sede do TCU, em Brasília (DF), e contou com a participação de 300 credenciados para participação presencial e 281 participantes, que assistiram à programação pelo YouTube.

    Em discurso na abertura do encontro, o presidente da Corte de Contas, ministro Raimundo Carreiro, ressaltou a relevância em se discutir a temática, na medida em que as políticas públicas são, em grande parte, operacionalizadas por meio das transferências de recursos. Segundo ele, daí a importância, também, de controle e gestão caminharem juntos, cada qual com suas responsabilidades, para a construção de estratégias que garantam o bom uso dos recursos. “Não existe mais espaço na administração para ações isoladas. Controle e gestão são faces de uma mesma moeda. Preservadas as competências de cada órgão, podemos e devemos pensar em estratégias que garantam o bom uso dos recursos públicos”, afirmou.

    Avaliação semelhante foi expressada pelo ministro da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, ao elogiar o enfoque do evento no controle e na gestão. “Acredito que todos os órgãos de controle estejam passando por um processo de reinvenção: aquele que, em um relatório, aponta problemas e sai de campo não se sustenta mais. Órgãos que não agregarem valor à gestão, ao combate à corrupção, vão deixar de existir, porque não há mais espaço, no orçamento e na administração pública, para instituições ineficientes”, reforçou.

    Para o presidente Carreiro, as transferências não podem significar um “simples repasse financeiro”, mas devem ser precedidas de planejamento e de projeto bem estruturado para alcançarem seus objetivos e efetivamente beneficiarem a população.

    A opinião foi partilhada pelo ministro-substituto do TCU Augusto Sherman, que também compôs a mesa de abertura: “Nós precisamos olhar para o crédito orçamentário destinado a construir uma escola, um posto de saúde, uma creche e enxergar essa escola, esse posto, essa creche. É preciso que o recurso orçamentário se transforme em recurso financeiro e, depois de transferido, se transforme em um bem ou serviço para aquela sociedade local”, afirmou. “Toda essa transformação depende de um conjunto de fatores que precisam ser bem realizados: projeto, planejamento, análise do plano de trabalho e acompanhamento”, acrescentou.

    De acordo com Carreiro, não são poucos os casos em que o “fracasso” da transferência ocorre já no momento do repasse, “pela ausência de projetos, planejamento, estudos, pareceres, podendo acarretar a constituição de uma tomada de contas especial alguns anos depois”. “Precisamos prevenir esse desfecho”, observou. Segundo ele, dos 12.772 processos abertos no TCU, excetuando os relativos a atos de pessoal, 6.910 são TCE. “Como servidores públicos, devemos trabalhar mais e mais para que os recursos sejam bem aplicados e para que a TCE constitua, de fato, processo de exceção, um mecanismo de rara utilização”, observou.

    Atuação conjunta

    O presidente do TCU também ressaltou as medidas que esta Casa tem adotado com o intuito de contribuir para uma maior efetividade no gasto público, como o grupo de trabalho constituído em 2016, com representantes do Tribunal e dos ministérios do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MPDG) e da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU).

    Para o idealizador do evento, ministro-substituto do TCU Weder de Oliveira, a temática só pode ser enfrentada, com a máxima racionalidade, a partir da cooperação interinstitucional. Na avaliação dele, esse é um tema relevante, complexo e multifacetado, por envolver questões sobre o federalismo no Brasil e a execução de políticas públicas descentralizadas, além de ser “politicamente muito sensível”. “As transferências têm um apelo muito grande no âmbito parlamentar por causa do nosso sistema político, tanto que temos uma emenda à Constituição que transformou as emendas parlamentares em impositivas”, ponderou.

    O titular do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MPDG), Estevão Colnago, também reforçou a importância da atuação conjunta ao destacar as ações que a pasta tem desenvolvido, de forma recorrente e junto com o TCU e a AGU, para fortalecer a governança, a transparência, a gestão e o controle das transferências voluntárias dos recursos da União. “Muitos dos nossos esforços visam à simplificação, automatização e racionalização dos processos, promovendo também maior transparência e controle social, a fim de que sejam alcançados resultados mais efetivos para a sociedade nas políticas públicas”.

    Uso de tecnologias da informação

    Os ministros também salientaram que o uso de tecnologias da informação – a exemplo de ferramentas, plataformas e sistemas – contribui para a maior agilidade e eficiência nas questões que envolvem as transferências federais.

    Nesse sentido, o presidente Carreiro citou o Sistema de Convênios (Siconv), surgido à luz do Acórdão 2.066/2006 – Plenário, com a finalidade de administrar as transferências voluntárias de recursos da União nos convênios firmados com Estados, municípios, Distrito Federal e entidades privadas sem fins lucrativos. Agilidade na efetivação dos contratos, transparência do repasse do dinheiro público e qualificação da gestão financeira são algumas das vantagens da ferramenta.

    O ministro Wagner Rosário informou que atualmente há 173 mil convênios ativos no Siconv, sendo que 15,3 mil estão em fase de prestação de contas, o que representa um montante de R$ 16,7 bilhões. O ministro Colnago, por usa vez, explicou que, de 2015 a 2018, foram realizados 175,7 mil atendimentos. No mesmo período, foram capacitadas mais de 65 mil pessoas em cursos a distância, além de mais de 7,2 mil presencialmente.

     

    O presidente do TCU lembrou aos presentes que o sistema e-TCE permitiu a instauração de tomadas de contas especiais diretamente pela plataforma, que é usada por todas as instâncias envolvidas no processo. “O e-TCE constitui o primeiro sistema do TCU integrado com o Siconv e com o Sistema Integrado da Administração Financeira do Governo Federal (Siafi). Essa integração permite expressivo ganho de tempo na instauração de TCE e reduz as chances de incorreções na reprodução de informações”, disse Carreiro.

    O ministro Weder lembrou que a temática das transferências voluntárias é debatida há mais de 20 anos pelos órgãos presentes. “Há de se levar em conta questões graves de eficiência, gestão, planejamento e também corrupção. As transferências voluntárias foram abordadas em comissões parlamentares de inquérito, como a do orçamento (repasses nas subvenções sociais), a das ambulâncias, a das ONGs – temática que só pode ser bem enfrentada com a máxima racionalidade de maneira interinstitucional, como estamos presenciando aqui”, acredita. Ele informou que, conforme os dados apresentados anteriormente pelo presidente Carreiro, os custos associados aos repasses são vultosos. “Em uma projeção feita com base em nossos relatórios de atividades, podemos perceber que os custos de instauração de TCEs são altos – o problema é que nossas estatísticas mostram que esses custos geram uma recuperação baixíssima. Então, a partir das transferências voluntárias, das tomadas de contas especiais, nós vemos um imenso desperdício de recursos públicos e um conjunto de ineficiência – recursos perdidos em recursos que simplesmente não se transformam em nada útil para a sociedade, como obras inacabadas, paralisadas... frustração completa da expectativa da sociedade em torno do benefício esperado com a transferência voluntária”, explica.

    Weder de Oliveira falou, ainda, sobre o custo do processamento adequado da TCE nos órgãos do executivo, em virtude de todas as fases do devido processo legal. “Depois, o imenso custo ao tramitar no TCU, com a fase de instrução, atuação do MPTCU, dos gabinetes e todas as fases recursais para decisão do processo anos depois. Depois do julgamento, os custos da cobrança executiva, custo da AGU na cobrança disso, para depois haver uma mínima recuperação. Assim, vemos o tamanho da ineficiência e prejuízos que estamos assistindo e que só podem ser enfrentados dessa forma, na cooperação entre o TCU, MP, CGU, AGU e eventualmente Ministério Público”, defende.

    Para o idealizador do Diálogo Público para debater cenários e perspectivas relacionadas às transferências de recursos federais, é preciso também modificar os incentivos às prefeituras e a forma de avaliar como os gestores gerem as políticas públicas, pois não basta identificar o número de convênios executados e o percentual de dotação executada. Para o ministro-substituto, é necessário avaliar novas possibilidades de análise dessas políticas públicas de gestão: “a atuação do TCU se pauta nos normativos que norteiam as transferências que, apesar de rigorosos com prazos estritos de análises das prestações de contas, a realidade nos mostrou, por exemplo, que estávamos gerando muito mais convênios que nossa capacidade de geri-los. Daí a formação dos enormes estoques de processos que estão sendo reportados nos pareceres prévios de relatórios de contas de governo do TCU há uns anos, com prejuízos altos previstos de TCEs. E não interessa mais à sociedade julgar TCEs, e, sim que não existam mais TCEs”, defende.

    Para o ministro-substituto Weder de Oliveira, é necessário que haja uma política de longo prazo, que possa estabelecer a ideia “TCE tendente a zero” – dessas TCEs, como ele explica, de geração espontânea, a partir de convênios – não das que ordinariamente surgem no âmbito das auditorias.

    Ao encerrar o evento, o ministro lembrou que é necessário que os órgãos repassadores, bem como os de controle, conheçam sua clientela. Que atuem mediante o mapeamento de riscos, com diagnósticos que permitam entender porque as TCEs estão surgindo, já que elas são evidências de um problema maior com os convênios. Ele informou que muitas propostas têm sido levantadas pelos órgãos envolvidos nos últimos anos, como, até mesmo, a de extinção das transferências voluntárias. Mas não tiveram êxito. “Hoje, temos um modelo que tem sido aprimorado acentuadamente desde 2006, como mencionado aqui pelo ministro Sherman, quando o TCU atuou como indutor de um processo que tem colhido melhorias, como o Siconv em um patamar mais evoluído. A proposta de novo valor de alçada para TCEs também é uma das propostas que nos traz aqui nesse evento: em reunião com a AGU e PGU há quase 2 anos, verificamos que os órgãos não têm procedimento adequado para acompanhar as TCEs. Então, formalizamos acordo de cooperação que, a partir do início deste ano, desenvolveu procedimentos, como lançamento no e-TCE – para que débitos de pequeno valor pudessem ser cobrados de forma mais célere. Temos tido notícias de que, no âmbito da cobrança administrativa, temos tido muito mais retorno do que na cobrança judicial; o que nos mostra que há outros caminhos a serem percorridos para contornarmos o problema”.

    Weder acredita que estamos vivendo um turnning point, aquele momento em que uma mudança expressiva está para acontecer: “com o Siconv já ganhando escala, e se começarmos a mudar o modelo mental que tem nos feito desperdiçar milhões em recursos públicos, como se isso fosse natural às transferências voluntárias, com esse montante de TCEs, e estes custos. Precisamos entender que estamos fazendo um ajuste de interesse mútuo, de não apenas transferir recursos, mas ter a prestação de serviço como retorno. O que nos interessa é termos uma política pública bem implementada”, arrematou.

    Da Redação/Secom

     

     

    Dialogo Publico - Transferências de recursos - Problemas e Perspectivas Um enfoque Conjunto

    Página NOTÍCIAS
    false
    Destaque cidadão
    false
  • Fiscobras 2018 consolida auditorias em obras por todo o Brasil

    Sob a relatoria do ministro Bruno Dantas, o Tribunal de Contas da União consolidou relatório anual de 77 auditorias em obras de 24 estados, das quais dez receberam a recomendação de serem paralisadas pelo Congresso Nacional

    Corpo da Notícia

    O Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou, na última semana (24), a consolidação das suas principais auditorias em 77 obras por todo o Brasil, o Fiscobras 2018. Relatado pelo ministro Bruno Dantas, esse consolidado é feito em cumprimento à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que determina o seu encaminhamento ao Congresso Nacional, para servir de parâmetro na análise do projeto de Lei Orçamentária (LOA) do ano que vem.

    O Fiscobras 2018 contém a relação de dez obras com indícios de irregularidades graves com recomendação de paralisação (IGP). Dessas, são oito remanescentes do Fiscobras 2017 e duas decorrentes do atual plano de fiscalização. Além dessas, há duas obras com indícios de irregularidades graves com retenção parcial de valores (IGR), e mais quatro fiscalizações com propostas de IGP que ainda aguardam a deliberação do TCU.

    No que diz respeito à materialidade dos recursos fiscalizados, as auditorias se referem a R$ 29,4 bilhões, considerando os valores dos contratos e dos editais fiscalizados. Mais da metade desse montante se refere às funções de governo Transportes e Energia. O total de benefícios financeiros apurados no Fiscobras 2018 alcançou R$ 840 milhões.

    O ministro-relator Bruno Dantas alerta “que a qualidade da gestão das obras não pode ser avaliada unicamente com base no número de recomendações de paralisação, primeiro por ser medida extrema e adotada somente em último caso. E segundo, porque ainda são numerosos os indícios de irregularidades graves detectados nas auditorias de obras, neste caso, em mais de 80% das 77 fiscalizações realizadas, o que prejudica sobremaneira a eficiência na aplicação dos recursos públicos e muitas vezes o próprio alcance da política pública”.

    A indicação pelo TCU da existência de indícios de irregularidades do tipo IGP significa que o Congresso Nacional pode decidir pela suspensão da execução física, financeira e orçamentária de contratos, convênios ou editais de licitação em que se tenha identificado o problema. Veja o quadro com as dez obras classificadas como IGP pela Corte de Contas.

    GettyImages-696569650 _Converted_-01.jpg

     Nesta rodada de fiscalização foram também identificados pelas equipes de auditoria do Tribunal indícios de IGP em contratos dos seguintes empreendimentos, cujos processos contemplam proposta de IGP (pIGP), porém ainda em instrução nas unidades técnicas responsáveis ou aguardando deliberação dos ministros do TCU acerca da sua confirmação ou não. Veja o quadro de obras classificadas pelo Tribunal como pIGP.

    GettyImages-696569650 _Converted_-02.jpg

     Somente duas obras receberam a classificação de IGR pelo Tribunal de Contas da União. Na Bahia, a construção da BR-235, do km 282,0 ao km 357,4. Em Pernambuco, as obras da Refinaria Abreu e Lima em Ipojuca (PE), também conhecida como Refinaria do Nordeste (Rnest).

    O Fiscobras 2018 levantou a representatividade dos indícios de irregularidade identificados nos empreendimentos auditados. Em cerca de 80% das fiscalizações foram detectados indícios de irregularidades graves (IGP, pIGP, IGR ou IGC), com predominância das irregularidades do tipo IGC, observadas em cerca de 60% das auditorias. Veja a tabela a seguir.

    GettyImages-696569650 _Converted_-03.jpg

    Esse elevado percentual de irregularidades graves decorre de 278 achados de auditoria considerados relevantes e dignos de relato pelos auditores do TCU. Desses achados, 31% são referentes a problemas em contratos fiscalizados e 54% relativos a falhas em licitações, planilhas orçamentárias e projetos.

    Obras paralisadas

    A consolidação preliminar dos dados mostra que o universo de contratos analisados no trabalho de auditoria é da ordem de 40 mil obras, que representam investimento total superior a R$ 700 bilhões. De acordo com os sistemas informatizados dos órgãos gestores de tais obras, mais de 30% estão atualmente paralisadas (mais de 12 mil). Especificamente no âmbito do Programa de Aceleração de Crescimento (PAC), tem-se que 26,4% das suas obras estão paralisadas, com contratos que somam mais de R$ 128 bilhões.

    Situação de duas obras de grande relevância

    No tocante à Ferrovia Nova Transnordestina, o relatório noticia que o novo projeto foi incluído no PAC em 2007, com um custo inicial de R$ 4,5 bilhões e estaria concluído até 2010. Em abril de 2014, havia previsão de conclusão para 2016, tendo o custo sido ampliado para R$ 7,5 bilhões. Hoje a obra ainda está com aproximadamente 50% de execução completada, e com custo já estimado em R$ 11,9 bilhões.

    Quanto às obras de transposição do Programa de Integração do Rio São Francisco (PISF), em apertada síntese, somente cinco das principais obras custarão aos cofres públicos, de acordo com as estimativas mais recentes e em valores atualizados, cerca de R$ 25 bilhões. De acordo com o ministro Bruno Dantas, relator do Fiscobras 2018, “havendo ainda a necessidade da aplicação de muitos outros bilhões em obras complementares necessárias para que esses empreendimentos estruturantes alcancem os benefícios propostos”.

    Painel de informações

    Em 2016, o Tribunal de Contas da União resolveu criar indicadores para permitir uma avaliação histórica dos resultados apurados nos Fiscobras. Após um período de estudos e debates internos, a Coordenação-Geral de Controle Externo da Área de Infraestrutura (Coinfra-TCU) desenvolveu um painel de informações, que se encontra em fase de produção.

    Esse painel terá como base as informações do ciclo Fiscobras, que é realizado desde 1997. Sendo que os dados estruturados estão disponíveis desde o ano de 2008. Há dados e indicadores relativos à dotação das obras em relação ao total da LOA, histórico de benefícios estimados, quantidade de achados por unidade jurisdicionada, entre outros.

    Além disso, com base nos principais achados de auditoria detectados nos últimos dez anos de fiscalização, em um universo de 1.688 fiscalizações realizadas, a Coinfra-TCU verificou que as três principais ocorrências no período são: “Sobrepreço/Superfaturamento”, com 1.331 achados; “Projeto básico deficiente, inexistente ou desatualizado”, com 1.158; e “Falhas na composição de custos expressos na planilha orçamentária”, com 751 achados.

     

    Serviço

    Leia a íntegra da decisão: Acórdão 2.461/2018 – Plenário

    Processo: TC 025.542/2017-6

    Sessão: 24/10/2018

    Secom – ED/ca

    Telefone: (61) 3316-5060

    E-mail: imprensa@tcu.gov.br

     

    Página NOTÍCIAS
    false
    Destaque cidadão
    false
  • Deu certo!

    TCU compartilha boas práticas na Administração Pública

    Corpo da Notícia

    O Tribunal de Contas da União (TCU) promove o seminário “Deu certo! Boas práticas replicáveis em Organizações Públicas buscando eficiência”. O objetivo é compartilhar com gestores públicos iniciativas bem-sucedidas adotadas por órgãos da Administração Pública e incentivá-los a replicarem essas práticas em suas instituições.

    “Que resultados esperar com a melhoria do iGovContratações?”; “Transparência na veia, nas notas, nos sistemas”; “Mais com menos: aproveitando o potencial do compartilhamento de recursos” serão alguns dos temas abordados no seminário .

    O evento acontecerá no dia 12 de novembro, das 14h às 18h30, no auditório Ministro Pereira Lira - Edifídio Sede. As inscrições estão abertas até o dia 10 de novembro.

    Botao_deu_certo-01.jpg

     

    Serviço:

    Data: 12/11/2018

    Horário: das 14h às 18h30

    Local: Auditório Ministro Pereira Lira

    Ed. sede do TCU

    SAFS, Qd. 4, lote 1

    Brasília-DF

    Tags

    <span>Institucional</span>

    Página NOTÍCIAS
    false
    Destaque cidadão
    false
  • Control and management must go hand in hand on the issue of federal resource transfers

    The evaluation was made by authorities who participated in the Public Dialogue that addressed the topic. The event took place on October 16, in Brasilia.

    Corpo da Notícia

    Members of the Federal Court of Accounts - Brazil (TCU), managers, authorities, and public management experts gathered in another edition of the Public Dialogue seminar series to discuss scenarios and perspectives related to federal resource transfers. The event took place on October 16, at TCU's headquarters in Brasilia (DF).

    In his speech, the President of the Court of Accounts, Minister Raimundo Carreiro, underscored the relevance of discussing the subject, insofar as public policies are operationalized largely through transfers of resources. According to him, hence the importance of control and management walking hand in hand, each with their responsibilities, to build strategies that ensure the proper use of resources. "There is no more space in administration for isolated actions. Control and management are two sides of the same coin. Preserving the mandates of each body, we can and should think of strategies that ensure the proper use of public resources", he said.

    The minister of Transparency and Comptroller General of the Union (CGU), Wagner Rosário made a similar evaluation when praising the focus of the event on control and the management. “I believe that all control bodies are undergoing a process of reinvention: those that, in a report, point out problems and leave the field will not hold up much longer. Public bodies that do not add value to management, to fighting corruption, will cease to exist because there is no more room in the budget and in public administration for inefficient institutions", he added.

    For President Carreiro, transfers cannot mean a "simple financial transference", but must be preceded by planning and design that is well structured to achieve their objectives and effectively benefit the population.

    The TCU substitute Minister, Augusto Sherman, stated, "We need to look at the budgetary credit to build a school, a health care unit, a daycare center and see the actual school, health care unit, and daycare. The budgetary resource needs to become a financial resource and, after being transferred, it needs to become a good or service for that local society. All this transformation depends on a set of factors that need to be present: design, planning, work plan analysis, and monitoring."

    According to Carreiro, cases where the "failure" occurs when the transfer is made are not few. This happens "due to the absence of projects, planning, studies, opinions and can entail the constitution of a Special Rendering of Accounts [TCE] procedure some years later”. “We need to prevent this outcome”, he observed.

    controle e gestao devem caminhar juntos na questao das transferencias - box - ingles.jpg

    According to him, from the 12,772 cases opened in the TCU, except those relating to personnel acts, 6,910 are TCEs. "As public servants, we must work harder and harder so that resources are well applied and so that TCEs become an exception, a mechanism used rarely," he noted.

    Joint Performance

    The TCU president also highlighted the measures that the Court has taken to contribute to greater effectiveness in public spending, such as the working group set up in 2016, with representatives of the Court and the Ministries of Planning, Development and Management (MPDG) and the Transparency and Comptroller General of the Union (CGU).

    For the TCU substitute Minister Weber de Oliveria, the subject can only be tackled with the utmost rationality based on the interinstitutional cooperation. In his evaluation, this is a relevant, complex, and multifaceted issue, since it involves questions about federalism in Brazil and the execution of decentralized public policies, in addition to being "politically very sensitive". "The transfers have a very big appeal in the parliamentary scope because of our political system, so much so that we have an Amendment to the Constitution that made parliamentary amendments compulsory", he said.

    Minister Estevão Colnago of the MPDG also reinforced the importance of joint performance by highlighting the actions that the portfolio has been developing on a recurring basis, together with TCU and AGU, to strengthen governance, transparency, management, and control of voluntary transfers of Union resources. "Many of our efforts are aimed at simplifying, automating and streamlining processes, while also promoting greater transparency and social control in order to achieve more effective results for society in public policies."

    Use of Information Technologies

    The Ministers also stressed that the use of information technologies – such as tools, platforms, and systems – contributes to the greater agility and efficiency in issues involving federal transfers.

    In that sense, President Carreiro mentioned the System of Covenants (Siconv), which emerged in the light of Judgment 2066/2006 - Full Court, with the purpose of managing voluntary transfers of Union resources in agreements signed with States, municipalities, Federal District and non-profit private entities. Agility in the execution of contracts, transparency in the allocation of public money, and qualification of financial management are some of the advantages of the tool.

    Minister Rosario reported that there are currently 173,000 active covenants in Siconv, with 15,300 are in the stage of rendering of accounts, which represents an amount of R$ 16.7 billion. Minister Colnago, in turn, explained that from 2015 to 2018, 175,700 services were carried out. In the same period, more than 65 thousand people were trained in distance courses, in addition to more than 7.2 thousand in person.

    Finally, the President of the TCU reminded those present that the e-TCE system allowed the establishment of Special Rendering of Accounts processes directly by the platform, which is used by all those involved in the process. "e-TCE is the first TCU system integrated with Siconv and Siafi [The Integrated System of Federal Government Financial Administration]. This integration allows significant time gains in the establishment of TCEs and reduces the chances of inaccuracies when reproducing information", said Carreiro.

    Tags

    <span>Institucional</span><span>Controle externo</span>

    Página NOTÍCIAS
    false
    Destaque cidadão
    false
  • Encontro no STF discute a retomada de obras paralisadas

    Raimundo Carreiro apresentou ao Supremo Tribunal Federal e a demais interlocutores institucionais números que mostram os reais motivos que têm determinado a paralisação de obras públicas no país

    Corpo da Notícia

    “O Tribunal de Contas da União tem feito o seu papel”, declarou o presidente do TCU, ministro Raimundo Carreiro, ao participar do diálogo institucional promovido no Supremo Tribunal Federal (STF) por seu presidente, ministro Dias Toffoli. A interlocução pretende viabilizar a retomada das obras que eventualmente estejam paralisadas no País. O encontro aconteceu na última quinta-feira (25), no Salão Nobre do STF, e contou também com a participação dos ministros do TCU Benjamin Zymler, Augusto Nardes, Aroldo Cedraz e Bruno Dantas.

    Participaram, ainda, o corregedor nacional de Justiça, Humberto Martins, o presidente da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon), Fábio Túlio Nogueira, o presidente do Instituto Rui Barbosa (IRB), Ivan Lélis Bonilha, e presidentes dos tribunais de contas de todo Brasil.

    Na oportunidade, foram ouvidos os ministros da Segurança Pública, Raul Jungmann, e da Educação, Rossieli Soares, que falaram sobre os impactos da paralisação de obras públicas afetas às suas pastas (veja o box).

    O ministro Carreiro citou como exemplo as obras retomadas pelo Ministério da Educação no Maranhão, em virtude de esforço conjunto com o Tribunal de Contas da União. Ele informou que foi criado grupo de trabalho para triagem das obras concernentes à Educação, formado por representante do TCU, do Ministério e do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). “A pedido do ministro da Educação, solicitei ao vice-governador do Maranhão verificar a possibilidade de o Estado bancar a retomada dessas obras. O obstáculo seguinte foi a inquietude da insegurança jurídica para o gestor. Na verdade, a ação teve sucesso”, contou o presidente do TCU, ao narrar que foi formatado ofício do governador do Maranhão para o Ministério da Educação para que o ministro, de posse dos dados ofertados pelo grupo de trabalho, pudesse identificar as obras de maior necessidade de retomada. “No entanto, os números (de obras paralisadas) são assustadores. Com o reduzido quadro de pessoal que temos, e as outras inúmeras atividades que desempenhamos, fica claro que também temos nossas limitações – sem falar que, em muitas das vezes, nos desgastamos no cipoal de irregularidades com as quais nos deparamos ao fiscalizar essas obras, como os projetos mal feitos ou desatualizados”, defendeu Carreiro, ao esmiuçar aos participantes do encontro o levantamento de obras paralisadas no Brasil realizado pela Corte de Contas.

    Carreiro-01.jpg

     

    O presidente do TCU mencionou a longa discussão na tarde anterior (na última sessão do Plenário) em torno do relatório de auditoria no âmbito do Fiscobras 2018, levantamento do Tribunal que espelha para a Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização do Congresso Nacional a situação das obras públicas do país. Carreiro explicou que, por sua vez, a comissão é quem determinará a paralisação daquelas que julgar necessário, retendo recursos para elas no orçamento seguinte. Ele destacou que esse trabalho tem sido feito em parceria com os tribunais de contas, com a realização de várias auditorias em conjunto, até mesmo com outras entidades de fiscalização de nações vizinhas, como é o caso da auditoria coordenada em meio ambiente, no âmbito da Organização Latinoamericana das Entidades de Fiscalização Superior (Olacefs). “Agora, com a participação do Supremo Tribunal Federal – que chamou para si esta questão (das obras públicas paralisadas), para tomar conhecimento e ver no que pode colaborar conosco, nós nos sentimos muito mais fortalecidos”, comemorou o presidente do TCU.

    Raimundo Carreiro apresentou levantamento de obras paralisadas no país. E listou as principais causas de paralisação: obras abandonadas pelas empresas, obras paralisadas por questões de ordem ambiental, obras paradas por decisões judiciais, obras paradas por conta de questões orçamentárias-financeiras, obras paralisadas por órgãos de controle (como o TCU e os tribunais de contas), obras paralisadas por outras questões e obras – diga-se de passagem, de grande vulto para o país – paralisadas por questões técnicas (projetos deficientes ou desatualizados).

    A pedido do presidente Carreiro, o ministro Benjamin Zymler contribuiu com o debate, destacando os efeitos da jurisdição e seu impacto nas políticas públicas. Zymler sugeriu soluções do ordenamento jurídico, regimes que podem ser aplicados para concluir obras, até mesmo as paralisadas, como o Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), as parcerias público-privadas (PPPs) e atas de registros de preços. “Já tem sido a postura do Tribunal de Contas da União, sob liderança de nosso presidente, ministro Carreiro,  sentar com os gestores, buscar esclarecer dúvidas e orientar. Por isso, acredito que, contando agora com o apoio do Conselho Nacional de Justiça, a força-tarefa será certamente um sucesso”.

    Na sequência, os ministros, Augusto Nardes – que trouxe o exemplo da flexibilização do uso das unidades de pronto atendimento de saúde (UPAs), trabalhadas pelo TCU no intuito de desembaraçar obras públicas paradas – Aroldo Cedraz e Bruno Dantas também se pronunciaram, em apoio ao mutirão formado.

    A força-tarefa

    “Em virtude do impacto que geram na sociedade, as obras paralisadas necessitam de um olhar acurado do Judiciário, para determinar o seu andamento e resolução das irregularidades que impedem sua continuidade”. Assim, o ministro-presidente do STF, Dias Toffoli, abriu a reunião que se propôs a ser um diálogo interinstitucional que visa a um acordo de cooperação entre os órgãos, para desembaraçar as obras paralisadas.

    destaque-01-01.jpg

     

    No encontro da última semana, foi decidida a elaboração de termo de cooperação que orientará os trabalhos, sob a coordenação do Conselho Nacional de Justiça, do Tribunal de Contas da União e da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil. Por meio da Atricon, cada tribunal de contas, estadual e municipal, indicará, nos próximos 30 dias, um representante para articular com o grupo. “O objetivo dessa força-tarefa é identificar gargalos e possibilidades de desatar nós no que diz respeito a projetos públicos”, explicou Toffoli. Ele informou que, da parte do Judiciário, a ideia é circular entre os tribunais, via CNJ, para identificar as obras de relevância que estão paralisadas. “Cada um desempenhando seu papel, de formas a alavancarmos o processo de desembaraço”, completou o corregedor nacional de Justiça, Humberto Martins.

    Toffoli informou que o primeiro passo será identificar as maiores obras paralisadas e os seus impedimentos de continuidade. Tentar usar de boas práticas já testadas por integrantes do grupo para solucioná-las. Em um segundo momento, os esforços serão para envolver tribunais, advocacias e procuradorias dos Estados com o Executivo local. Para que, em um terceiro passo, possa haver a priorização do que resolver no âmbito da força tarefa.

    Dias Toffoli-01.jpg

     Na sequência, a palavra foi franqueada aos presidentes das associações e tribunais de contas presentes, que trouxeram boas práticas que têm sido adotadas em suas instituições nos esforços para desembaraçar obras públicas paralisadas.

    BOX-01-01.jpg

     

    Reunião no STF, com os Ministros do TCU e Ministros de Estado

    Página NOTÍCIAS
    Tags

    <p><span data-dicionario='CLASSIFICAR'>SEGURANÇA PÚBLICA</span>&nbsp;<span data-dicionario='CLASSIFICAR'>SERVIÇOS ESSENCIAIS AO ESTADO</span>&nbsp;<span data-dicionario='CLASSIFICAR'>EDUCAÇÃO</span>&nbsp;<span data-dicionario='CLASSIFICAR'>SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA NACIONAL</span>&nbsp;<span data-dicionario='CLASSIFICAR'>INSTITUCIONAL</span>&nbsp;<span data-dicionario='CLASSIFICAR'>CONTROLE EXTERNO</span>&nbsp;<span data-dicionario='CLASSIFICAR'>SERVIÇOS ESSENCIAIS AO ESTADO</span>&nbsp;</p>

    Página NOTÍCIAS
    true
    Destaque cidadão
    true
  • Mozambican auditors visit TCU

    The Acting Head of the Department of Methods and Support for External Control (SEMEC), Antonio Alves de Carvalho Neto, and auditor Maria Lúcia Lima, welcomed a delegation of ten auditors from the Supreme Audit Institution of Mozambique. They were accompanied by Alexandre Pochyly da Costa, auditor of the Federal District Court of Accounts and participated in a technical meeting facilitated by the General Secretariat of the Organization of Supreme Audit Institutions of the Community of Portuguese-speaking Countries (OISC/CPLP) and by the Department of International Relations (SERINT) of the TCU.

    Corpo da Notícia

    Among the delegation’s topics of interest were the method for selecting performance audit topics, how audits are planned and conducted - including the internal TCU process up to the moment the audit reaches the Full Court for appreciation – how case rapporteurs and auditees participate, the time spent on performance audits and the way team members are chosen; the types of referral proposals and how they are monitored.

    After a brief explanation of the TCU's mandate to carry out performance audits and the history and experience of incorporating this audit modality into our work portfolio, TCU representatives answered questions from members of the Mozambican delegation. Then, the acting head of Semec mentioned some examples of timely audits and the impact generated for society and the image of the TCU.

    Tags

    <span>Institucional</span>

    Página NOTÍCIAS
    false
    Destaque cidadão
    false
  • German Agency GIZ presents to the TCU a tool for management of public finances

    On October 17, the president of the Federal Court of Accounts - Brazil (TCU) Minister Raimundo Carreiro and Minister Walton Alencar met with the specialist in public finances and public administration Barbara Gutzler, a member of the team of the German Agency for International Cooperation (free translation for Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit - GIZ, in the original acronym).

    Corpo da Notícia

    Barbara came to the TCU to present and evaluate the possibility for the Court to test and apply the tool Public Financial Management Reporting Framework (PFMRF), developed by GIZ in partnership with the Organization of the African SAIs of Portuguese Language (Afrosai-E).

    The PFMRF aims to strengthen the performance of Supreme Audit Institutions (SAI) in the agenda of the United Nations Sustainable Development Goals (SDGs), based on the premise that, without good management of public finances it will not be possible to implement the 17 SDGs agreed upon in 2015 by the member states of the UN, among them Brazil.

    According to Barbara, in addition to the opportunity to exchange experiences with technical areas, what led GIZ to TCU was the "innovative trend" of the Court of Accounts. "We have been working with this tool in English-speaking Africa. Now we are working with the Community of Portuguese Language Countries (CPLP). In the case of the TCU, we would like to receive inputs to jointly assess whether the tool could be adapted and applied here, at no cost to the Court", he added. "Our goal is also to apply it, more broadly, to the International Organization of Supreme Audit Institutions (Intosai). Interaction with the TCU will help ensure that we have a high-quality product for the Intosai community and also to support the SDGs, especially SDG 16, which refers to peace, justice and strong institutions", explained the German expert.

    The Minister-President thanked GIZ for the deference and said that the work of the Court of Accounts has evolved "very well and admittedly" from a technical and consistent point of view. This is a result also of the relationships developed with international organizations, such as GIZ itself and Intosai, the World Bank, the Latin American and Caribbean Organization of Supreme Audit Institutions (Olacefs) and the Organization for Economic Cooperation and Development (OECD). "This tool will be very well received and analyzed by our auditors. We are at your disposal to share our knowledge", said Carreiro. "You spoke of innovation and this is really the spirit of the TCU. In the last ten years, we have made significant progress in the use and improvement of technologies that have been very fruitful for the performance of the Court's role", he said.

    For the Secretary General of the Organization of Supreme Audit Institutions of the Community of Portuguese-speaking Countries (OISC/CPLP), Minister Walton Alencar Rodrigues, PFMRF can represent "significant advances" in the area of control of public finances. "My knowledge of the operation of the tool is restricted, but I know the effective results that the use of the platform represented in many countries," he said.

    The Head of the Department of Government Macro Analysis, Leonardo Albernaz, pointed out that the work with international institutions has brought "many benefits" to the areas of the TCU working directly with public finances. "We have had valuable and productive results for the improvement of our work. I reinforce, here, that we are totally at your disposal". 

    The Secretary General of the Presidency, Rainério Rodrigues Leite, the Head of the Department of External Control - National Treasury, Tiago Dutra, the Coordinator General for Public Efficiency, Luiz Akutsu, and members of the Department of International Relations (Serint) also participated in the meeting. At the end of the meeting, held at the Office of the TCU President, Barbara Dutzel held meetings with members of the TCU departments Semag, SecexFazenda, Serint and Segecex.

    Tags

    <span>Institucional</span><span>Controle externo</span>

    Página NOTÍCIAS
    false
    Destaque cidadão
    false
  • Plano Nacional de Educação corre risco de não alcançar 70% das metas

    Para colaborar com a implementação do PNE (2014-2024), o Tribunal de Contas da União deverá concentrar esforços em ações que possam contribuir para o atingimento dos objetivos. A relatoria é do ministro Walton Alencar Rodrigues

    Corpo da Notícia

    O Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou, no último dia 10, o terceiro relatório de acompanhamento da implementação do Plano Nacional de Educação (PNE), cuja vigência se iniciou em 2014 e vai até 2024, e que foi instituído pela lei 13.005, de 2014. A relatoria do processo no TCU é do ministro Walton Alencar Rodrigues.

    De acordo com essa fiscalização, das 20 metas do PNE, 14 não devem ser cumpridas até 2024, ou serão cumpridas intempestivamente, no caso de metas cujo prazo final é anterior, ou, ainda, serão cumpridas apenas parcialmente. O Tribunal alertou para a necessidade de mobilização e articulação das três esferas do Poder Público.

    O trabalho da Corte de Contas traz projeções para os indicadores de determinadas metas, feitas por meio de regressão linear, utilizando como referência os índices medidos nos anos anteriores, desde 2004. Assim, são sinalizados pelo Tribunal diversos riscos potenciais ao alcance das metas previstas no PNE 2014-2024.  

    infograficos-03-01.jpg

    “Embora não ignore que já foram realizadas algumas fiscalizações envolvendo estratégias do PNE, considero que, a partir de agora, é fundamental concentrar forças em ações de controle que possam efetivamente contribuir para o alcance das metas. Esta Corte não deve se contentar em colher dados e informá-los aos diversos órgãos envolvidos”, asseverou o ministro-relator.

    Para Walton Alencar Rodrigues, os esforços do TCU devem se concentrar “na realização de ações de controle efetivas, que gerem benefícios para a sociedade. Para a realização dessas ações o Tribunal não deve poupar esforços”.

    infograficos-03-02.jpg

    Para tanto, o Tribunal de Contas da União determinou ou recomendou uma série de medidas aos órgãos governamentais relacionados ao atingimento das metas do PNE. Ao Ministério da Educação (MEC), foi determinado que encaminhe ao TCU relatório contendo avaliação acerca da possibilidade de cumprimento das metas do Plano Nacional de Educação, indicando as correções necessárias para o seu alcance e a execução física e financeira das ações orçamentárias e dos programas e políticas relacionados.

    Por envolver a colaboração dos diversos entes federados, a lei que criou o PNE determinou a criação da instância permanente de negociação e cooperação federativa. A instância foi criada por Portaria do MEC. No entanto, o TCU não verificou evidências de seu funcionamento efetivo. Por isso, a Pasta deverá informar as datas das reuniões a serem realizadas em 2018, bem como as pautas definidas para cada encontro. A partir de agora, e nos próximos anos, todas as reuniões da instância permanente de negociação e cooperação federativa deverão ser informadas à Corte de Contas até 30 dias após a realização.

    O Tribunal também determinou ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, ao Ministério do Desenvolvimento Social e ao Ministério da Educação que, em conjunto, encaminhem estudo de viabilidade acerca da criação do benefício adicional de que trata a estratégia 9.4 do Plano Nacional de Educação, que se refere à educação de jovens e adultos. Deverá ser enviado ainda relatório com informações sobre as ações para estimular a demanda e a frequência escolar nesse público.

    infograficos-03-03.jpg

    Por sua vez, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) deverá avaliar se considera conveniente a recomendação do TCU para que colete os dados necessários à aferição anual do acesso à educação básica da população de quatro a dezessete anos de idade com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, de modo a possibilitar o acompanhamento da Meta 4 do PNE.

    Sobre essa mesma meta, caberá, ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), avaliar se adotará, nos próximos relatórios do Plano Nacional de Educação, indicador sobre o percentual desses alunos com características especiais com acesso à educação básica.

    infograficos-03-04.jpg

    Serviço

    Leia a íntegra da decisão: Acórdão 2.353/2018 – Plenário

    Processo: TC 034.984/2017-8

    Sessão: 10/10/2018

    Secom – ED/ca

    Telefone: (61) 3316-5060

    E-mail: imprensa@tcu.gov.br

    Página NOTÍCIAS
    false
    Destaque cidadão
    false
  • The role of TCU in regulation control

    After the concession of a public service, TCU's performance continues by monitoring the execution of the concession contracts. However, this does not replace the constitutional and legal role of regulatory agencies, which regulate the market. Therefore, TCU does not act as a second level institution or reviewer, but as the constitutional body of superposition and control

    Corpo da Notícia

    The Federal Court of Accounts - Brazil (TCU) has the mission of overseeing the performance of regulatory agencies, in particular concession contracts, permit contracts and the acts of authorization for delivery of public services. The providers of such services generate public goods and services. A good example of this is the highways and ports, which are the responsibility of concessionaires, but belong to the Federal Government.

    In the Brazilian legal constitutional regime, TCU oversight can occur before, concomitantly or after the act. All relevant issues, requiring immediate correction, are brought to the attention of the regulatory agencies in time for them to make the changes in the public bids in progress.

    In previous oversight of the rules for bidding notices and concession contracts, for example, TCU's contribution helps to reduce implementation risks and economic and financial imbalances. These can be easily avoided through preventive measures based on the Court's analysis.

    After the concession of the public service, TCU's performance continues by monitoring the execution of the concession contracts. However, this does not replace the constitutional and legal role of regulatory agencies, which regulate the market. Therefore, TCU does not act as a second level institution or reviewer, but as the constitutional body of superposition and control.

    The performance of the Court of Accounts does not reduce the regulatory body’s performance because TCU does not choose, for example, methodologies of calculation, nor fixes values. TCU limits itself when appropriate, to point out the impropriety of the choice in the concession and determine the correction of the failure.

    There are several ongoing cases in TCU to monitor regulation. Recently, in the Plenary Session of 9/19/2018, for example, the Court approved the first stage of the monitoring regarding granting of the North-South Railroad Central Stretch (FNSTC). In the case analysis, inconsistencies and irregularities were identified in the technical, economic-financial, and environmental feasibility studies of the work. Consequently, the Court proposed adjustments before the publication of the public notice.

    According to the rapporteur of the FNSTC case, Minister Bruno Dantas, "the sensitivity required of the TCU is especially important, since the Court must exercise continuous and demanding vigilance in order not to cross the fine line separating external control from public management, a determining factor for success of a service granting process, which, if confused, can fulminate it. ”

    Also in the case of the Railroad, Minister Benjamin Zymler commented on the performance of the regulatory agencies, "The TCU cannot deduce all the risks of a concession. For this purpose, there is the regulation, which derives from the concrete verification of conflict solution techniques using mediation, conciliation, and arbitration”.

    Other privatization processes have also been analyzed recently, as in the case of the fifth round of bidding for the concession of blocks in pre-salt areas for the exploration of oil and natural gas. Because of TCU’s performance, the National Energy Policy Council changed the economic parameters of the bidding process and increased minimum share rates of some blocks.

    A public-private partnership of R$ 4.5 billion for air traffic control was also evaluated by the Court, which required the Aeronautical Command to develop a plan to avoid service discontinuity.

    Serviço

    <p>&nbsp;</p>

    <p><span></span></p>

    <p>&nbsp;</p>

    <p>&nbsp;</p>

    <p>&nbsp;</p>

    Tags

    <p><span data-dicionario='JURISDICIONADO'>FEDERAL COURT OF ACCOUNTS</span>&nbsp;<span data-dicionario='JURISDICIONADO'>TCU</span>&nbsp;<span data-dicionario='DIC_PALAVRA'>REGULAÇÃO</span>&nbsp;<span data-dicionario='DIC_PALAVRA'>DESESTATIZAÇÃO</span>&nbsp;</p>

    Página NOTÍCIAS
    false
    Destaque cidadão
    false